A ACOPPE acredita que os conhecimentos adquiridos pelas pessoas podem dar novos rumos as suas vidas e contribuir para uma sociedade mais justa e por isso investe na capacitação das pessoas promovendo palestras, cursos, treinamentos e campanhas sobre os mais variados assuntos.

CONTATO: 

Email: acoppepequeri@hotmail.com

ongtransparente.png

Assine nossa newsletter e fique por dentro!

© 2019 - Associação Comunitária do Povoado do Pequeri. Todos os direitos reservados.

5° CÂMARA CIDADÃ

24/11/2018

 

 

 

Aconteceu a Câmara Cidadã, na ACOPPE- Associação Comunitária do Povoado do Pequeri, dia 22 de novembro, de 2018, onde os presentes da localidade fizeram várias solicitações pertinentes a comunidade.

 

Instituída através da Resolução n° 380/2015, a Sessão Comunitária, extensão da Câmara Municipal de Congonhas têm como objetivo a aplicação de benfeitorias, nas áreas de meio ambiente, educação, saúde e infraestrutura, bem como a formulação de políticas públicas ao cidadão, como beneficiário direto de leis e ações do Município.

 

Esta Sessão desloca-se para diversos bairros e/ou distritos, para buscar de perto as reivindicações locais, onde os representantes do Legislativo participam diretamente, além da sociedade, representantes do Executivo e empresas correlacionadas. 

 

As solicitações geradas nestas reuniões serão encaminhadas de forma documental ao Executivo e será aplicada desde que em condições para tal, às ações de melhorias para a comunidade, dentro das fiscalizações constantes e legítimas dos Vereadores - elo direto entre a sociedade e Chefe de Governo.

 

PARTICIPANTES DA MESA DO DIÁLOGO

 

Os Vereadores - Presidente da CMC - Dr. Adivar Geraldo Barbosa; Vice-Presidente - Cida Penido, Vagner Luiz de Souza e Nilton da Cruz Ramalho. Do Executivo e correlacionados: Sandro César Cordeiro - Secretário de Gestão Urbana; Sidmei Andrade - Secretário Adjunto de Obras; Leanderson Vieira - Encarregado da COPASA e Marcone Souza Alvarenga - Presidente da ACOPPE.

 

PARTICIPANTES DA COMUNIDADE 

 

Marcone Alvarenga - Presidente da Associação; Realina Vilma de Oliveira (Enfermeira do Posto de Saúde); Ana Flávia Moreira (Técnica de Enfermagem do Posto); Alexsander Geraldo; Manuel Ferreira; Iva Caetano; Sra. Maria de Geli Marques; Elaine de Fátima Ramalho; José Luzia Correio; Rosineide Paixão.

 

REIVINDICAÇÕES

 

Construção de alambrado ao redor do campo de futebol; vestuário e iluminação; construção de área de lazer, com parquinho e academia ao ar livre, acessibilidade, proteção do córrego e bancos; meio fio em frente ao campo; reforma geral do Posto de Saúde e mais horários de atendimento, além de reparo no telhado, piso grosso, pintura, aumento de espaço, com salão comunitário e designação de espaço para reciclagem de lixos tóxicos; redes elétricas em sítios(já ficaram 15 dias sem luz); rede de esgoto nas ruas – Evaristo José da Costa, José Resende Paula e Manuel Pereira Filho; rede de água até o número 451 da Rua: Manoel Pereira Filho; 4 postes com luminárias nas ruas - José Resende Paula e Evaristo José da Costa; fornecimento de água com qualidade - cloração(em análise pela COPASA, dia 30/08/2017 foi constatada imprópria para consumo e amostra de coleta de água fora de especificação, dia 22/09/2017). Moradores utilizam água emprestada, do último ponto da rede, que vai pela força da gravidade; pintura nos abrigos de ônibus, com grafite, idealizado pelo projeto “Vida as Ruas”; correio em funcionamento para entrega de correspondências e reinstalação do antigo chafariz. Durante a reunião solicitaram telefonia fixa no Posto de Saúde e implantação de horários fixos para funcionários e extensão de horário de atendimento, de 07h ás 19h, pois somente uma enfermeira e uma técnica de enfermagem estão trabalhando no local, sendo inviáveis os atendimentos a contento – conclusão das funcionárias do posto.

 

Ao pedirem reconstituição do antigo chafariz, o presidente da CMC - Adivar relatou que tal procedimento seria particularidade do jurídico do Município, pois segundo ele, havia um decreto, no governo de Gualter Monteiro, onde a água era isenta de taxa de cobrança. Existe ainda a questão de qual instituição seria responsável pela captação e mantenimento da água e que a mesma não mais poderia ser usada pela população, como antigamente, servindo apenas de adorno, no local. 

 

Ao final os vereadores presentes fizeram suas considerações e os representantes do Executivo ficaram de tomar às providências, algumas em caráter de urgência para análise, planejamento, aprovação e execução dos pedidos da comunidade.

 

 

 

 

Fonte: Rita Cordeiro/ Assessoria de Imprensa/CMC

Please reload